Coluna 08 de @danilo_pity Tema: Fake News (Parte 1)

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

O jornalismo tem a obrigação ética de trazer a informação correta – mas ainda assim vemos, em alguns recantos, profissionais com o “poder do microfone”….
Até “ontem” não existia internet e a transmissão de um fato para conhecimento público era privilégio da imprensa. Os jornalistas e radialistas eram as pessoas que discorriam os acontecimentos para leitores, ouvintes e telespectadores ávidos pelas informações. Nas salas de aula de jornalismo, este exemplo era valorizado ao dizer que o jornalista é aquele profissional que recebe uma procuração do público para ir atrás da informação e repassá-la como notícia com garantia de veracidade do fato (e nem vamos entrar, aqui, na seara do bom ou do mau profissional, ou mesmo do quanto as crenças e vivências de um jornalista, como ser humano que é, podem influenciar na transmissão de uma informação).
O profissional do jornalismo era, só, o arauto da verdade. Ele sabia do fato e o transcrevia ao público. E ainda que mais pessoas tivessem visto o mesmo fato sob uma ótica diferente, elas não tinham o canal de comunicação que faria a sua verdade chegar ao grande público. Assim, o maior treinamento que um jornalista poderia ter era ser o mais imparcial possível ao narrar o fato, ao repassar a informação, ao dar a notícia. Isto fez da profissão uma das mais respeitadas pelo próprio público, que dependia do profissional do jornalismo para saber dos acontecimentos. Ao mesmo tempo, criou uma redoma de que só o jornalismo tem credibilidade para repassar uma informação verdadeira. Porém, com os novos tempos tecnológicos, o jornalismo acabou sendo atropelado pela velocidade da informação.
Até “ontem”, como não existia a tecnologia da internet, também não existiam as redes sociais. E desta forma, jornais, emissoras de rádio e de televisão traziam os fatos em primeira mão – e como versão única. Isto foi por terra a partir do “atropelamento”. A partir das redes sociais, cada vez mais velozes e interativas, todo mundo informa tudo de forma instantânea

É óbvio que “pessoas normais” (não jornalistas) divulgando informações em suas redes sociais não tem a obrigação de seguirem os ditames e critérios jornalísticos, mas não há como negar que, em certos casos, o fato tornado público por essas pessoas não só é verdadeiro como chega a muita gente (viraliza) antes mesmo da cobertura midiática.
Se as “pessoas normais”, ao divulgarem um fato, não têm o mesmo princípio ético de credibilidade exigido de um profissional do jornalismo (ainda que nem todos o tenham, pois não há profissão que não tenha alguns maus profissionais), é fato que muitas divulgam fatos verdadeiros, ou seja, notícias. É o exemplo clássico de um acidente ou mesmo um incêndio ocorrido em determinado lugar. Hoje se sabe do fato (ainda que de maneira primária e sem informações aprofundadas) e se recebe as imagens instantaneamente, antes mesmo de a própria imprensa tomar conhecimento do ocorrido. Coisas da tecnologia, são os novos tempos. A imprensa passa, a partir daí, a ter o papel de trazer as informações de maneira mais elaborada, mais elucidativa, mais informativa.
O jornalismo tem a obrigação ética de trazer a informação correta – mas ainda assim vemos, em alguns recantos, profissionais com o “poder do microfone” utilizando esta força para outros interesses ou mesmo uma mídia engajada em interesses outros que não o repasse da notícia, simplesmente. No entanto, sugerir que notícias veiculadas pelas redes sociais (usadas também pela imprensa e seus profissionais, claro) por “pessoas normais” não tem valor ou são fake news, é forçar a barra.  Precisamos partir do princípio que assim como em toda e qualquer profissão temos bons e maus profissionais, no mundo real cotidiano temos pessoas com boas intenções e outras não; temos pessoas com ética e outras não; temos pessoas com interesse em repassar um fato e outras com interesses escusos. 
(Continua na próxima coluna com a origem das fake news e o impacto da perda do monopólio da informação pelo jornalismo)

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 Saiba quem são os vencedores dos Prêmios Literários Cidade de Manaus

Com 876 inscritos, os Prêmios Literários Cidade de Manaus premiaram nove participantes. Entre eles, Ricardo Lima da Silva que...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img