CONDIÇÕES INACEITÁVEIS

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

Pareceres contra a compra antecipada da Pfizer foram emitidos pela consultoria jurídica do Ministério da Saúde, a Advocacia-Geral da União e a Controladoria-Geral da União

As cláusulas contratuais propostas pela Pfizer foram consideradas inaceitáveis pelos órgãos de controle, o primeiro e mais antigo documento é do dia 3 de dezembro de 2020. Trata-se de um parecer jurídico encaminhado pelo advogado da União e consultor jurídico do Ministério da Saúde Jailor Capelossi Carneiro ao então secretário-executivo da pasta Elcio Franco, no qual ele analisa um pré-contrato do governo com a Pfizer.

Após elencar diversos motivos ao longo de nove páginas, ele conclui que, “mesmo após breve, superficial e não exaustiva análise, entende-se que diversas previsões da anexa minuta de “MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS NÃO VINCULATIVO”, conforme mencionado anteriormente de forma exemplificativa, afrontam o ordenamento jurídico pátrio. Assim, recomenda-se a não celebração do referido instrumento nos termos em que apresentado”.

Entre as razões indicadas para a não aceitação dos termos estão:

1- A previsão pela Pfizer de não ser punida se houvesse atraso na entrega das vacinas;
2- A responsabilização da União por eventuais efeitos adversos da vacina;
3- Pagamento antecipado;
4- A arbitragem por um tribunal americano caso haja problemas contratuais com o governo brasileiro.

Como se tratava de um pré-contrato que não obrigava a fechar a compra, o governo acabou assinando no dia 9 de dezembro de 2020 o memorando de entendimentos, mas decidiu não fechar o contrato. Optou aguardar por mudanças legislativas que atendesse às orientações jurídicas.

A ideia era aprovar uma emenda dentro da MP 1003. O texto chegou a ser apresentado no dia 16 de dezembro pelo deputado Hiran Gonçalves (PP-RR), mas não foi aprovado.

A Casa Civil, então, realizou uma reunião no dia 22 de fevereiro para tratar “dos desafios associados à eventual contratação de doses de vacinas contra a Covid-19 dos fabricantes Pfizer/BioNTech SE e Janssen Pharmaceutica”. O resultado prático foi o envio de ofícios à alguns ministérios para que fosse feita uma análise sobre as condições que a Pfizer exigia.

A AGU respondeu no dia 3 de março. Ela conclui ao final de um documento de 12 páginas que para a assinatura do contrato é necessária a aprovação de uma lei que autorizasse algumas das cláusulas que a farmacêutica exigia.

“Ante o exposto, o presente parecer é no sentido de entender não haver óbices jurídicos intransponíveis à assinatura dos contratos de aquisição de doses da vacina contra a Covid-19 da Pfizer e Janssen, necessitando, contudo, a edição de autorização legislativa para assunção de obrigações previstas em cláusulas e disposições contratuais que não têm previsão legal e necessitam dela ou que destoam de disposições legais existentes e, por isso, devem ser excepcionalizadas.”

A CGU na mesma data também apontou a existência de riscos na assinatura do contrato. “De forma geral, a análise realizada apontou que, caso os contratos sejam assinados, o gestor federal estaria suscetível a ocorrência de riscos significativos, especialmente os da ordem de impacto orçamentário financeiro para o Estado brasileiro, considerando eventual majoração futura dos preços das vacinas pactuados, bem como da previsão de pagamento de indenização à empresa e seus representantes, em caso da ocorrência de ampla gama de fatores elencados.”

E condicionou a assinatura à sanção de uma legislação que diminuísse esses riscos. “Entende-se que, caso se confirme a sanção presidencial ao Projeto de Lei nº 534/2021, parte das necessidades de alteração legal encontram-se atendidas.”

Esse projeto, de autoria de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), acabou virando a Lei 14.125 no dia 10 de março. Prevê, por exemplo, que o governo assume os riscos referentes à aquisição de vacinas. O governo viria a assinar o contrato com a Pfizer no dia 19 de março.

O Ministério da Saúde foi prudente e zeloso com os interesses do Brasil neste episódio.

Estamos com foco no fato.

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 Saiba quem são os vencedores dos Prêmios Literários Cidade de Manaus

Com 876 inscritos, os Prêmios Literários Cidade de Manaus premiaram nove participantes. Entre eles, Ricardo Lima da Silva que...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img