MATÉRIA ESCURA: E se o buraco negro no centro da Via Láctea for na verdade uma massa de matéria escura?

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

Uma equipe de pesquisadores do Centro Internacional de Astrofísica Relativística encontrou evidências que sugerem que Sagitário A* não é um buraco negro massivo, mas sim uma massa de matéria escura. Em seu artigo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society: Letters, o grupo descreve as evidências que encontraram e como elas resistiram aos testes.

Por vários anos, a comunidade científica concordou que há uma massa no centro da galáxia da Via Láctea e que a massa é um buraco negro supermassivo – foi chamado de Sagitário A*. Sua presença nunca foi verificada diretamente, no entanto, em vez disso, foi inferida observando o comportamento dos corpos ao seu redor. Nesse novo esforço, os pesquisadores sugerem que outro tipo de massa poderia produzir as mesmas reações de outros corpos e, de fato, poderia ajudar a explicar algumas anomalias que foram observadas.

Em 2014, os astrofísicos foram confrontados com um problema que eles não conseguiam explicar – uma nuvem de gás chamada G2 mudou-se para uma posição próxima o suficiente de Sagitário A* que deveria ter sido destruída e puxada pelo buraco negro. Em vez disso, a nuvem de gás continuou seu caminho, ilesa.

Os pesquisadores neste novo esforço sugerem que a razão pela qual G2 foi capaz de sobreviver à sua jornada além de Sagitário A* foi porque Sagitário A* não é um buraco negro – é uma massa de matéria escura. Para chegar a essa conclusão, eles criaram uma simulação da Via Láctea, onde Sagitário A* foi substituído por uma massa de matéria escura e depois a deixou correr. Ao fazer isso, eles descobriram que a Via Láctea poderia funcionar praticamente da mesma forma que faria se houvesse um buraco negro em seu centro – estrelas S próximas se comportariam da mesma forma, por exemplo, como faria a curva rotacional da parte externa da Via Láctea aréola. Os pesquisadores foram ainda mais longe, sugerindo que tal massa seria composta por darkinos, que pertenceriam ao mesmo grupo dos férmions. Se eles se agrupassem, a simulação mostrou, eles teriam características muito semelhantes a um buraco negro – as exceções sendo suas características mais extremas.

O que é matéria escura:

Quando o Telescópio Espacial Hubble, no final da década de 1990, trouxe uma infinidade de novas observações incríveis de objetos distantes — e, portanto, antigos —, os astrônomos descobriram algo surpreendente: o universo em épocas remotas se expandia mais lentamente do a expansão que é observada hoje. Isso foi muito difícil de explicar, porque até então os cientistas estavam em parte certos de que a taxa de expansão do universo diminuiria por causa da gravidade das grandes estruturas como as galáxias

Então, os teóricos chegaram a três tipos de explicação, e uma delas trouxe de volta à mesa uma versão há muito descartada da teoria da gravidade de Einstein, que fala a respeito de algo chamado “constante cosmológica”. Albert Einstein foi a primeira pessoa a perceber que o espaço vazio não é um grande “nada”, com alguns objetos aqui e ali. O espaço tem propriedades, e a primeira dela a ser descoberta por Einstein é a possibilidade de que mais espaço passe a existir. Enfim, na segunda versão da teoria da gravidade, o físico alemão prevê que o “espaço vazio” pode possuir sua própria energia.

Como essa energia é uma propriedade do próprio espaço, ela não é diluída com a expansão do universo. E se a expansão segue cada vez mais rápida, talvez Einstein estivesse certo sobre todas essas ideias, o que leva a algumas conclusões ainda mais interessantes. Por exemplo, a de que mais dessa “energia” estranha surge à medida que o espaço se expande e aumenta. Como resultado, essa forma de energia faria com que o universo se expandisse cada vez mais rápido. Essa energia é conhecida hoje como “energia escura”, e ela é importante para entender um pouco a matéria escura.

Acontece que com novas observações e muitos cálculos, os cientistas finalmente chegaram ao número correspondente à energia escura existente no universo, baseado no que se sabe sobre a expansão do universo. A conclusão é de que cerca de 68% do universo é feito de energia escura, enquanto a matéria que conhecemos corresponde a apenas 5% do universo. Tudo o que vemos, de galáxias a planetas — incluindo eu e você — é apenas 5% de todo o cosmos. O resto são as coisas que não podemos ver, então chamamos de “escuro”.

Você percebeu que a conta não fecha (68% de energia escura + 5% de matéria normal)? Pois bem, o restante que falta para completar 100% do universo só pode ser explicado pelo que chamamos de “matéria escura”. Assim, essa matéria invisível representa cerca de 27% do universo. Mas do que é feita essa matéria? Difícil dizer, pois se não podemos ver, significa que ela é feita de algum tipo de partícula que ainda não conhecemos. Mas há algumas hipóteses para explicar que partícula seria essa.

Candidatos a matéria escura

Embora seja difícil descobrir o que é a matéria escura, podemos descartar muitas coisas. Por exemplo, toda a matéria bariônica — ou seja, ela não é nada que possa ser formado por prótons, nêutrons e elétrons. Se a matéria escura fosse bariônica, os cientistas poderiam detectá-la, já que eles são capazes de encontrar nuvens bariônicas distantes e escondidas, medindo quanta radiação foi absolvida quando alguma luz passa por elas.

Também podemos descartar a antimatéria, pois não foram detectados os raios gama que são produzidos quando a antimatéria e a matéria se aniquilam em um encontro fatal. Por último, a maioria dos cientistas também descarta grandes buracos negros primordiais do tamanho galáxias. É que se a matéria escura fosse algo assim, os astrônomos veriam uma distorção da luz nas regiões onde estaria localizada. Essa distorção da luz pela gravidade é chamada de lente gravitacional, e foi prevista por Einstein, e mais tarde comprovada várias vezes pelos astrônomos.

Axions

Os áxions são um tipo de partícula hipotética que, se existirem, raramente poderiam interagir com a matéria normal. Ela a foi proposta pela primeira vez há mais de 40 anos, mas ainda não foi encontrado sinais de que realmente existe no universo. Ainda assim, é considerada a melhor explicação para a matéria escura. De acordo com a tese, se os áxions tiverem uma massa baixa dentro de uma faixa específica, eles podem ser um possível componente da matéria escura.

Essas partículas seriam mais ou menos como neutrinos. Ou seja, teriam pouquíssima interação com a matéria conhecida do universo. Assim como neutrinos, áxions seriam capazes de viajar pelo cosmos atravessando todo tipo de objetos — inclusive nossos corpos —, em linha reta, quase sem deixar rastros de suas passagens. Outra semelhança entre essas duas partículas é que ambas se formam no interior do núcleo das estrelas. A principal diferença é que apenas os neutrinos têm a existência comprovada.

Curiosamente, o áxion foi proposto pela primeira vez por Roberto Peccei e Helen Quinn não para explicar a matéria escura, mas como uma solução para algo chamado “violação CP” (um problema da cromodinâmica quântica). Essa proposta ficou conhecida como teoria de Peccei-Quinn.

Neutralinos, neutrinos estéreis, gravitinos

Já o neutralino, também hipotético e considerado um candidato a ingrediente da matéria escura, é previsto por uma teoria da física de partículas. Haveriam quatro neutralinos, todos eletricamente neutros. Cogita-se que o mais leve dos quatro seja estável e que todos eles interagem com a força fraca.

Há outros candidatos menos conhecidos para matéria escura, tais como os neutrinos estéreis. São partículas semelhantes aos neutrinos normais, só que muito mais massivos e incapazes de interagir com a força fraca. A existência dessa partícula também nunca pode ser comprovada — na verdade, os estudos atuais apontam que, caso neutrinos estéreis existam, as experiências mais avançadas seriam contraditórias.

Matéria escura quente, fria e morna

Também há algumas ideias diferentes para a forma da matéria escura. Na matéria escura fria, as partículas se moveriam lentamente em relação à velocidade da luz e interagem muito fracamente com matéria normal. Além disso, possuiria radiação eletromagnética. Essa é a ideia mais aceita pelos teóricos, sendo que os áxions, os neutrinos estéreis e os neutralinos, seriam as partículas que formam esse tipo de matéria escura, já que elas são consideradas como fracas na interação com a matéria bariônica.

Por outro lado, a matéria escura quente é uma forma oposta — suas partículas viajam em velocidades ultrarelativísticas, ou seja, muito próximas à velocidade da luz. Essa ideia não é tão popular porque não pode explicar como as galáxias individuais se formaram a partir do Big Bang, coisa que a matéria escura fria é mais capaz de fazer. A radiação cósmica de fundo em micro-ondas (um tipo de “fóssil” do universo, que leva os astrônomos aos primeiros milhões de anos após o Big Bang) é muito suave e as partículas em movimento rápido não podem formar aglomerados tão pequenos quanto as galáxias em um estado inicial, que era o universo primitivo.

Por fim, a matéria escura morna teria propriedades intermediárias entre a matéria escura quente (já descartada pelos cientistas) e a matéria escura fria. As partículas desse estado de matéria mais comuns são os mesmos que vimos na matéria escura quente: neutrinos e gravitinos estéreis.

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 Manaus realiza em setembro maior festival de artes integradas da Amazônia

SouManaus traz artistas nacionais e internacionais, celebra diversidade e sustentabilidade Manaus convida turistas de todo o Brasil para curtir quatro...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img