Coluna número 19 de @daniilo_amoriim
Tema: O que são robôs sociais e como eles se comportam nas redes

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

Segundo o último Incapsula Bot Traffic Report, um estudo destinado ao levantamento de estatísticas do tráfego de contas automatizadas na internet, divulgado em 2016, apenas 48% da atividade online vem de humanos, enquanto o resto fica a cargo de robôs.
Com a carga negativa que os bots vêm ganhando nos últimos anos, graças às acusações de participação em campanhas de desinformação, esses números podem assustar à primeira vista. Mas eles estão dentro de um território de terminologia confusa, em que uma mesma palavra é utilizada para definir ferramentas bastante distintas entre si.


Se não existe apenas um propósito para o surgimento de uma conta automatizada, o que de fato são os bots e como eles atuam? Além disso, trouxemos um estudo de caso sobre a operação de perfis automatizados no Twitter durante a última greve dos petroleiros.

Acompanhe conosco:


Como se dividem os bots:

Em linhas gerais, um bot é uma automação de software ― ou seja, que funciona sem precisar receber qualquer tipo de instrução ou direcionamento humanos ― programada para a realização de tarefas específicas, normalmente de modo repetitivo. Isso ocorre para que elas sejam realizadas mais rapidamente do que se dependessem de mão de obra não automatizada.

Embora os bots venham apresentando maior crescimento nos últimos cinco anos, os primeiros datam da década de 1990, com a ampliação do acesso à internet. Os chatbots são exemplos de good bots ― isto é, bots bons, aqueles cuja função é ajudar o usuário em sua navegação, bem como melhorar sua experiência ― que datam dessa época e seguem ainda muito difundidos hoje. Eles são scripts treinados para manter conversas humanizadas, por exemplo, em serviços de atendimento ao cliente, como aqueles encontrados em sites e aplicativos de compra e venda ou de bancos.
Outros exemplos de good bots são os crawlers (em tradução livre, rastreadores), que navegam pela web em busca de sites a serem indexados em serviços de busca, além de determinarem a posição das páginas nestas mesmas plataformas. Há, ainda, os bots de assistência virtual, como a Alexa da Amazon e a Siri da Apple, que, basicamente, rastreiam soluções para as necessidades e problemas do usuário pela internet.
Por outro lado, temos os bad bots, ou bots ruins. Enquanto os good bots recebem um nome oficial e têm uma operação transparente, a intenção destes é passar de forma despercebida. Um exemplo notório são os spammers, programados para, como o nome denota, espalhar spam, ou seja, um conteúdo indesejado ou inapropriado, indo desde propagandas incessantes até links com malwares, para o maior número possível de pessoas.

Social bots:


É com os social bots, no entanto, que os bad bots ganham maior força hoje. O surgimento deles está associado à ampliação da abertura das APIs (cada mídia social tem sua Interface de Programação de Aplicativos, que permite que desenvolvedores de fora ampliem suas funcionalidades padrão) de redes como o Facebook e, principalmente, o Twitter, onde eles mais se concentram.

Eles são perfis automatizados que, ao assumirem uma identidade falsa, ou ao tomarem o controle de uma conta antiga e inativa, e agirem como pessoas reais, atuam em mídias sociais com a produção e a disseminação de conteúdo propositalmente falso ou enganoso. São também capazes de simular uma aprovação ou desaprovação inexistentes a certas assuntos, dando capilaridade a eles. Os social bots direcionados ao discurso político e à influência do resultado de determinado pleito já ganharam uma denominação à parte e passaram a ser chamados de political bots.

Um fenômeno comum entre os social e political bots é a formação de botnets ― em tradução literal, redes de robôs ―, o que já era observado, ainda que em menor escala, entre os spammers. Essas redes são formadas por um número massivo de contas criadas para amplificar um mesmo conteúdo. Esses perfis, comumente, têm poucos seguidores e costumam seguir apenas aqueles que fazem parte de uma mesma rede de disseminação.

Por fim, existem os cyborgs, contas marcadas pelo hibridismo entre a atividade automatizada e a coordenação humana, e que podem servir a propósitos diferentes. Os cyborgs podem surgir, por exemplo, graças a um desejo de se postar mais conteúdo de maneira mais depressa, ou à necessidade de se agendar postagens, para que a conta demonstre ter alguma periodicidade contínua.

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

AUXÍLIO BRASIL: Ministro diz que governo usará R$ 30 bi fora do teto. Comprometimento com equilíbrio fiscal será mantido, afirmou Guedes

No que depender da equipe econômica, o Auxílio Brasil, programa que pretende substituir o Bolsa Família e pagará um...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img