AGTECHs: Mapeamento aponta 299 startups voltadas para o agronegócio brasileiro.

Mais lidas
Julio Gadelha
Secretário da Redação e Analista Profissional de Marketing formado pelo Uninorte-AM

O agronegócio brasileiro conta com 299 startups ativas voltadas ao setor, as chamadas agtechs, aponta o Mapeamento de Agtechs 2021, segunda edição do estudo feito pela Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Entre as startups de tecnologias gerais, as voltadas à agropecuária representam 11,8%, ficando apenas atrás das relacionadas à educação e à saúde e ao bem-estar. “O segmento agro é um dos mais tradicionais e maduros, mas ainda com oportunidades para novas soluções e exponencial crescimento. E os resultados positivos deste estudo só comprovam esse promissor futuro”, afirmou em nota a coordenadora de Informação da Abstartups e responsável pelo estudo, Ana Flávia Carrilo.

Entre as áreas de atuação das startups voltadas ao agronegócio, as agtechs se distribuem em tecnologias para antes da fazenda (10,2%), dentro da porteira (72,6%) e depois da porteira (17,2%). Das startups agrícolas com tecnologias para antes da porteira, 44% atuam com soluções financeiras para o setor – as agfintechs. Dentro da porteira, se destacam as startups de gestão de dados agrícolas (41,2%) e, fora da porteira, a maioria atua com plataforma de negociação e marketplace (55,6%). Quanto ao modelo de negócios, 36,9% utilizam software como serviço (SAAS) para gerar receita. Entre as tecnologias mais utilizadas, 22,5% trabalham com aplicação de dados; 19,8%, com inteligência artificial e 16,6%, com internet das coisas.

A Região Sudeste possui a maior presença de agtechs, com 40,8% das mapeadas pelo estudo. São Paulo é o Estado líder em número de agtechs, com 27,4%, seguido pelo Rio Grande do Sul, com 17,2%, e pelo Paraná, com 12,7%. O mapeamento mostrou também que o setor é majoritariamente composto por empreendedores homens, com 85,4% dos fundadores do gênero masculino e de 31 a 40 anos.

Ainda de acordo com o mapeamento, 47,1% das agtechs brasileiras já receberam investimentos – bem acima da média geral em todos os setores, de 26,7% em 2020. O aporte foi feito por investidores anjo em 33,8% dos casos. A maior parte delas, 54,1%, está em fase de validação e operação. Em relação ao faturamento, 17,8% informaram que têm receita entre R$ 50 mil e R$ 250 mil. O estudo questionou as startups também quanto aos principais desafios em relação à tecnologia que enfrentam. Das agtechs ouvidas, 33,9% apontaram a falta de conectividade e infraestrutura na zona rural como principal obstáculo.

Diferenças

Segundo a Associação, o levantamento foi realizado pela autodeclaração das agtechs, que responderam à pesquisa amostral de forma ativa. A metodologia é diferente da aplicada pelo Radar Agtech Brasil 2020/2021, feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e que utiliza de informações públicas. O mapeamento da Embrapa revelou 1.574 agtechs existentes no País. O estudo da ABStartups tem nível de confiança de 95%. Também não são inclusas as foodtechs – startups com soluções voltadas à alimentação.

Fonte: Agência Estado

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 “Somos especialistas em entregar resultados”, afirma coronel Menezes em entrevista à TV Record”

Candidato ao Senado pelo PL destacou sua atuação exitosa na área empresarial e no Exército e afirmou ser um...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img