SUSPENSO: Justiça suspende envio de doses da Pfizer para interior do AM. Para a juíza, o imunizante requer armazenamento especial em câmaras frias de baixíssima temperatura, inexistentes no interior do estado.

Mais lidas
Julio Gadelha
Secretário da Redação e Analista Profissional de Marketing formado pelo Uninorte-AM

A Justiça Federal suspendeunessa terça-feira (22), o envio de doses da vacina da Pfizer para o interior do Amazonas. A decisão é da juíza Jaiza Fraxe.

A ação foi movida pela Defensoria Pública do Estado (DPE). O órgão noticiou à Justiça a distribuição de imunizante Pfizer para municípios do interior do Estado sem a garantia de refrigeração adequada

Para a juíza, o imunizante da Pfizer requer armazenamento em câmaras frias de baixíssima temperatura, até então inexistentes no interior do Estado. Ela suspendeu a distribuição das doses até que o Estado apresente plano satisfatório de transporte e armazenamento, com segurança, a fim de que sejam evitados desperdícios de doses de imunizantes. 

Enquanto isso, segundo a juíza, o Estado pode e deve utilizar os demais imunizantes no interior, sobretudo a AstraZeneca que está em quantidade suficiente na Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM). 

Na decisão, a juíza também mandou intimar o diretor-presidente da FVS, Cristiano Fernandes, para que o órgão proceda a entrega imediata de 30 mil doses da Pfizer para a Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa),em até 48 horas, para que as vacinas sejam aplicadas em quem já começou o esquema vacinal e precisa ser vacinado em até 21 dias e não em 3 meses como estava sendo feito, em Manaus.

A utilização da vacina da Pfizer na campanha de imunização contra a Covid-19 no Amazonas começou no dia 13 de maio. Preferencialmente o imunizante foi aplicado em grávidas e mães de até 45 anos dias após o parto, e também em adultos a partir de 18 anos com comorbidades.

INTEMPESTIVIDADE

No dia 28 de maio deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisaautorizou novas condições de conservação e armazenamento para a vacina, que, desde então,  pode ser mantida em temperatura controlada entre 2ºC e 8ºC por até 31 dias. A orientação anterior era de 5 dias

Para aprovar as novas condições, a equipe técnica da Anvisa avaliou os estudos de estabilidade apresentados pelo laboratório da farmacêutica desenvolvedora da vacina. “Os estudos de estabilidade servem para definir por quanto tempo e em quais condições a vacina mantém suas características sem alteração”, disse a agência, em nota. 

Antes da liberação dos frascos para a vacinação, as doses da Pfizer precisavam ser armazenadas em caixas com temperaturas entre -25°C e -15°C por, no máximo, 14 dias. Tais condições não permitiam que a vacina fosse enviada para municípios distantes mais que 2h30 da capital do estado.

Portanto, a decisão da juíza se mostra intempestiva e não condiz com as novas especificações de armazenamento aprovadas pela Anvisa, órgão regulador de autoridade máxima no país. Podendo, prejudicar ou atrasar o cronograma de vacinação nos 62 municípios do estado do Amazonas. 

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 Recorde: Brasil exporta quase US$ 200 bilhões em 7 meses

Superávit na balança comercial é o segundo maior para o período de janeiro a julho Entre janeiro e julho de...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img