TENDÊNCIA: Quem é o empresário que fez o gim virar febre no Brasil? Bruno Siqueira fincou a bandeira de gigantes do ramo no Brasil

Mais lidas
Julio Cesar
Redator e Designer do Foco no Fato. Profissional de Marketing formado pelo Uninorte-AM.

Até uma década atrás, beber gim não era um pensamento automático quando o assunto é destilado. O mercado nacional desse segmento etílico era bem menor do que é que hoje e havia uma clara divisão: de um lado, marcas nacionais de qualidade duvidosa. Do outro, importados que tinham dificuldade de fazer sucesso devido aos preços mais altos e à baixa demanda por parte dos brasileiros. 

A moda que se vê hoje em bares e restaurantes no formato de taças cheias de gim, água tônica e limão-siciliano é recente e tem um culpado. “As pessoas falavam que eu estava louco, que gim era bebida de alcoólico”, afirma Bruno Siqueira, o empresário responsável por popularizar a bebida no Brasil. “Hoje, o mercado me reconhece como o cara que reintroduziu o gim no país”, diz. 

Tudo começou quando Bruno Siqueira, que antes de se jogar de cabeça no mundo das bebidas alcoólicas passou pela área de vendas da P&G e da Schincariol, decidiu empreender e abrir sua própria marca, a cachaçaria Santa Dose, em 2009. Mesmo com recursos limitados, Siqueira conseguiu fazer seu negócio vingar e, em 2014, a Brown-Forman, dona do uísque Jack Daniel’s, comprou 100% da Santa Dose por 12 milhões de dólares. “Quando isso aconteceu, tive a certeza que deveria continuar empreendendo no mercado de bebidas”, relembra. 

A partir do case da Santa Dose, a primeira empresa que Bruno abriu na vida, grandes players do mercado de bebida começaram ver o empresário com outros olhos. Ainda em 2014, Bruno foi convidado pela gigante francesa Pernod Ricard para assumir um imenso desafio: comandar a marca de gim Beefeater no Brasil.

O problema? Em meados de 2014, a categoria de gim quase não tinha peso no mercado brasileiro. No segmento de destilados, a unidade padrão de medida é uma caixa de 9 litros. Quando Bruno assumiu a Beefeater, todas as marcas do mercado brasileiro somavam apenas 100 mil caixas produzidas ao ano.

“Eu estava percebendo que na Europa, principalmente em Portugal e na Espanha, o gim estava se tornando uma febre. Fui para lá estudar e voltei para o Brasil obstinado em transformar o gim em moda”, diz Bruno. 
Nas mãos de Bruno, a Beefeater Brasil teve o maior crescimento global da marca comparado às outras outras operações no resto do mundo. “Depois disso, todos os grandes players começaram a investir no segmento, fazendo a categoria ganhar a relevância que tem hoje”, diz Bruno.

Com o sucesso da marca que traz um soldado inglês no emblema, outras empresas, nacionais e estrangeiras, começaram a introduzir de verdade o gim nas taças dos brasileiros. Como consultor, Bruno ainda ajudou a trazer outras marcas gringas de gim para o Brasil, como a alemã Monkey 47 e o inglês Plymouth gin. “Hoje, nós temos mais de 300 marcas de Gim. A categoria cresceu mais de 10 vezes desde 2014. Ainda assim, o nicho ainda representa apenas 10% da categoria de vodca, por exemplo. Há muito espaço para crescer”, aponta.

Fonte: Exame

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

ORIGEM ESTRANHA: 78% do faturamento de empresa que contratou Moro veio de alvos da Lava Jato.

Empresa que contratou Sergio Moro (Podemos) após o ex-juiz deixar o Ministério da Justiça em 2020, a Alvarez &...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img