🔶 Coluna 05 do Senador Plínio Valério | O papel do Legislativo para o bem comum

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

A tarefa de legislar não é fácil: os legisladores devem levar a sério esse exercício, que significa colaborar ao máximo com a sociedade. Diz o jurista Carlos Maximiliano que o legislador deve limitar-se ao que a sociedade necessita, pois, como representante do povo, cumpre o papel de espelho da realidade social, ao ajudar na busca do bem comum. 

Sinto-me gratificado no desempenho desse papel. E especialmente gratificado por ter merecido o apoio dos senadores e deputados para dois projetos que, acredito, alcançam grande importância para o Brasil. Refiro-me aqui à lei 14.164 de 2021, que inclui a prevenção da violência contra a mulher nos currículos da educação básica, e à lei complementar 179, também de 2021, que define os objetivos do Banco Central do Brasil, dispondo sobre sua autonomia e sobre a nomeação e exoneração de seu presidente e seus diretores. 

Ao apresentar esses projetos, estava – e estou – convencido de sua correspondência com os anseios dos brasileiros. É evidente que precisamos combater a violência contra a mulher, e não apenas punindo, mas também prevenindo, educando. Da mesma forma, a estabilidade econômica, missão do Banco Central, é indispensável para o crescimento econômico, com geração de emprego e renda. 

É reconfortante quando podemos observar resultados concretos das normas que propomos. Registro aqui o desempenho do Banco Central do Brasil no primeiro ano de vigência das normas que lhe garantem autonomia e, portanto, independência. 

Em 2021 o Banco Central registrou um lucro de R$ 85,9 bilhões, um recorde de todos os tempos. 

De acordo com o próprio Banco Central, o resultado positivo com reservas internacionais e derivativos cambiais, os chamados “contratos de swap”, totalizou R$ 14,2 bilhões no ano. Isso constitui uma demonstração da confiança do mercado financeiro, sabidamente sensível e arisco. Ainda segundo a instituição, o valor foi destinado à constituição de reserva de resultados no patrimônio líquido do Banco Central. 

O Banco Central informou também que os R$ 71,7 bilhões restantes foram transferidos ao Tesouro Nacional, conforme previsão em lei. Esse repasse representa um importantíssimo reforço para o orçamento público, no momento em que ainda arca com o elevadíssimo custo social da pandemia da Covid-19 e com seu impacto sobre a arrecadação. 

Em 2020, devido à pandemia da Covid-19, o Conselho Monetário Nacional havia autorizado o BC a fazer um repasse excepcional ao Tesouro Nacional a fim de ajudar no pagamento da dívida pública. O aporte foi necessário porque o governo elevou os gastos públicos para combater os efeitos da pandemia naquele ano, o que aumentou a necessidade de emissão de títulos em um momento de volatilidade no mercado financeiro. 

Esse movimento, porém, não se confunde com o resultado da estabilidade proporcionada pelo Congresso ao Banco Central. De acordo com o Departamento de Contabilidade, Orçamento e Execução Financeira do próprio Banco Central, a transferência de R$ 71,7 bilhões feita ao Tesouro em março não é excepcional, nem relacionada à pandemia. O repasse faz agora parte da operação normal do BC, decorrência do seu novo quadro institucional pautado pela autonomia e pela estabilidade. 

Fica aqui, portanto, um registro da importância do papel do Legislativo brasileiro na busca do bem comum para a qual fomos eleitos. 

Senador Plínio Valério (PSDB-AM) 

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 CRISE GLOBAL | Alta dos combustíveis coloca Europa em ‘situação insustentável’, diz Macron

Para o líder francês, produtores de petróleo têm imensa responsabilidade nos preços da commodity. O presidente francês Emmanuel Macron pediu...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img