🔶 COVID 19 | Apesar da explosão de casos, gravidade da covid diminui. Veja gráficos: 

Mais lidas
Gabriel
CEO do Foco no Fato. Engenheiro Civil, pós graduado em Pavimentação de Estradas e Rodovias e realizando um MBA em Gestão Empresarial pela FGV.

Dos hospitalizados em maio, 11% foram intubados e 29% foram parar na UTI; são os menores percentuais desde o início da pandemia

Apesar da disparada de novos casos de covid-19, a gravidade da doença continua a diminuir. 

Levantamento mostra que, em maio, 11% dos hospitalizados foram intubados. É o menor percentual da pandemia. O procedimento de intubação é feito nos pacientes que apresentam os casos mais severos.

Desde o fim de abril, a média móvel de casos de covid mais do que triplicou, ultrapassando 40.000 registros diários. Especialistas dizem que o número real é muito maior e pode se aproximar do recorde da pandemia. Isso porque os casos mais leves são identificados por autotestes e não entram nas estatísticas. 

Mesmo com esse crescimento do número de casos, os indicadores mostram redução na gravidade da doença. A proporção dos hospitalizados que precisou de UTI em maio foi de 29%, também a menor da pandemia

Covid + outra causa 

O Poder360 consultou 3 intensivistas na linha de frente do combate à covid. Todos disseram que a maioria dos casos atuais nas UTIs é de pessoas internadas por outras razões e que, coincidentemente, têm diagnóstico positivo do vírus. 

“A gravidade é muito menor. A maioria dos casos que nós temos visto, internados e positivos, são pacientes que vieram por outras condições e que tiveram covid positivo no teste, mas não é que estão internando pela covid”, diz Viviane Cordeiro Veiga, coordenadora de UTI da BP, a Beneficência Portuguesa de São Paulo.

“Os pacientes que chegam hoje à UTI são muito idosos, com leucemia, linfoma, transplante. Chegam mais por causa de doenças como câncer ou porque têm atropelamento, mas não pela covid. Quando são pacientes jovens internados por covid, a gente vê que são não vacinados”, diz Rodrigo Biondi, que está à frente das UTIs da Rede Dasa em Brasília e é integrante da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira).

A presença de comorbidades entre as vítimas de covid é também a maior da pandemia: 83,4% dos mortos em maio tinham algum fator de risco.

Mudança radical “Tem um número gigantesco de pessoas infectadas agora, mas poucos precisam de UTI e menos ainda ser intubados. É uma mudança radical. Parece até outra doença”, diz Biondi

De certa forma, é possível dizer que o estágio atual da pandemia é uma doença distinta. O vírus sofreu várias mutações e sua cepa predominante é menos agressiva e mais infecciosa. A população também mudou. Quase 80% dos brasileiros têm 2 doses de imunizante ou dose única. “O vírus mudou e o hospedeiro mudou”, resume Ederlon Rezende, chefe do projeto UTIs Brasileiras, da Amib.

É consenso entre os médicos na linha de frente da pandemia que a vacina não conseguiu deter a transmissão do vírus, mas aumentou significativamente a proteção contra casos graves.

Os dados acima contextualizam a nova explosão de casos da doença. Por um lado, há, sim, motivos de preocupação. A disparada de novos casos pode ajudar no aparecimento de uma nova cepa mais grave. Além do crescimento de casos, em maio também houve um crescimento de mais de 100% no número de internações e de entradas de pacientes com covid nas UTIs. 

Por outro lado, os dados preliminares mostram que maio é o 2º mês com menos pressão sobre os hospitais em toda a pandemia (só perde para o mês de abril) e que a gravidade dos casos é muito menor.

Por mais que a gravidade da doença tenha diminuído, a covid não virou uma “gripezinha”. “Ainda estamos falando de quase 1 caso em UTI para cada 3 internações, o que é um nível bem alto”, alerta o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do Infogripe. 

Os médicos recomendam reforçar medidas protetivas como uso de máscaras, higiene das mãos e evitar aglomerações. E, especialmente, a vacinação. “É fundamental ter a vacinação em dia para os casos não serem graves. E que quem for convocado para tomar a 4ª dose, tome“, afirma Ederlon Rezende.

Metodologia 

O Poder360 computou 1,9 milhão de registros de hospitalização desde o início da pandemia. As informações de maio ainda devem ter alterações, já que os registros de entrada em UTI e intubação são ações que dependem da unidade de saúde abrir novamente a ficha para atualizar esses campos, o que é um processo mais lento.

Há uma diferença metodológica em relação ao levantamento feito pelo Poder360 em março. Naquela ocasião, foram computados apenas os casos de UTI e intubação que nos dados do Sivep-Gripe também aparecem com a confirmação de hospitalização. Há, no entanto, algumas ocasiões em que um paciente aparece intubado ou em UTI sem ter a informação de ter sido hospitalizado. No levantamento atual, esses casos também foram considerados, o que levou a pequenas mudanças de percentual em alguns meses.

Publicidadespot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidadespot_img
Últimas notícias

🔶 CRISE GLOBAL | Alta dos combustíveis coloca Europa em ‘situação insustentável’, diz Macron

Para o líder francês, produtores de petróleo têm imensa responsabilidade nos preços da commodity. O presidente francês Emmanuel Macron pediu...
Publicidadespot_img

More Articles Like This

Publicidadespot_img