HomePolítica

🔶 Indiciado, ministro das Comunicações diz que ação da PF é “política”

🔶 Indiciado, ministro das Comunicações diz que ação da PF é “política”

Indiciado pela Polícia Federal nesta quarta-feira (12/6) por suspeita de participação em organização criminosa e crime de corrupção passiva, o minist

🔶Aprovados em concurso de Nova Olinda fazem pressão para serem convocados
🔶TCE dá prazo para Prefeitura de Manaus se manifestar sobre uso dos recursos do Fundeb
🔶’Gênero’, ‘não binariedade’ e ‘heterossexualidade compulsória’: palestra de Marcia Tiburi na Petrobras

Indiciado pela Polícia Federal nesta quarta-feira (12/6) por suspeita de participação em organização criminosa e crime de corrupção passiva, o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil-MA), enviou nota à imprensa com sua defesa. “A investigação, que deveria ser um instrumento para descobrir a verdade, parece ter se desviado de seu propósito original”, diz o comunicado.

De acordo com o ministro, “não há nada, absolutamente nada, que envolve minha atuação no Ministério das Comunicações, pautada sempre pela transparência, pela ética e defesa do interesse público”, declarou diante do indiciamento.

O ministro alegou ainda que, durante o depoimento, o delegado responsável pelo caso não fez questionamentos relevantes sobre o objeto da investigação e que encerrou “abruptamente após apenas 15 minutos, sem dar espaço para esclarecimentos ou aprofundamento”.

Juscelino Filho disse que a ação de seu indiciamento teve o mesmo modus operandi da Operação Lava Jato.

“O indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito. Trata-se de um inquérito que devassou a minha vida e dos meus familiares, sem encontrar nada. A investigação revira fatos antigos e que sequer são de minha responsabilidade enquanto parlamentar”, informou a nota.

De acordo com a nota, o ministro havia indicado apenas parlamentares para custear obras, enquanto a licitação, realização e a fiscalização dessas obras seriam responsabilidade do Poder Executivo e dos demais órgãos competentes.

“É importante lembrar que o indiciamento não implica em culpa. A Justiça é a única instância competente para julgar, e confio plenamente na imparcialidade do Poder Judiciário. Minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados”, declarou.

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0